Objetivo


segunda-feira, 23 de março de 2015

BAHIA DESATIVA MAIS QUILÔMETROS DE SUAS FERROVIAS

O trecho de Alagoinhas será um dos desativados.
Numa atitude que vem na contramão da visão de desenvolvimento de todos os países o Brasil vem sucateando o seu sistema ferroviário. Todos sabem que o transporte por ferrovia é muito mais barato do que o sistema rodoviário, além de ser bem mais seguro. A Bahia tinha uma vasta malha ferroviária que vem sendo sucateada há vários anos e, agora uma resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT  datada de 2013, autoriza  a Ferrovia Centro-Atlântica - FCA a proceder a desativação e devolução de trechos ferroviários da malha explorada por esta concessionária.
O pior é que os valores devidos por esta empresa serão convertidos em investimentos na malha Centro-Leste, beneficiando os estados de Minas Gerais, Goiás e São Paulo em detrimento do Bahia, num montante de R$760 milhões, acrescidos de 15%, a título de vantajosidade para o setor público, alcançando um total de R$87 milhões  classificados como doação.
A concessionária entende que esses trechos são anti-econômicos dai o redirecionamento dos recursos para outro estados . Existe o Programa de Investimentos em Logística - PIL que foi lançado em 2012 mas, até hoje permanece no papel. Este tal de PIL prevê a implantação de uma malha ferroviária moderna. Porém, tudo está em estudos e projetos e nada de concreto saiu até agora deste tal PIL que já tem três aninhos de vida em papel. 
Sabe- se que a malha total de ferrovias da FCA na Bahia é de  1.626 quilômetros compreendida no corredor logístico Minas-Bahia, eixo de ligação ferroviária entre o Nordeste e Sudeste do país com acesso através o porto de Aratu, transportando carga de minerais e madeira. 

GRAVES PREJUÍZOS
Aqui outro trecho   que será desativado em Brumado .

A desativação da malha ferroviária em nosso Estado é uma prova inconteste que nesses anos de governo petista estamos andando pra trás como caranguejo.  Algumas empresas e o Sindicato dos Ferroviários e Metroviários da Bahia - Sindferro  se posicionaram contra a desativação por entenderem que " esta medida irá ocasionar graves e irreversíveis prejuízos à economia baiana, à logística das empresas e aos investimentos aplicados na construção de linhas e bases para carregar e descarregar vagões com produtos como minérios, petroquímicos, combustível e frutas."

Os trechos antieconômicos a serem desativados são: Paripe (BA) - Mapele (BA); Ramal do Porto de Salvador; Sabará (MG) - Miguel Burnier (MG); Barão de Camargos (MG) - Lafaiete Bandeira (MG); Biagípolis (SP) - Itaú(MG); Ribeirão Preto (SP) - Passagem(SP); e Cavaru (RJ) - Ambaí (RJ).

Já as vias economicamente viáveis que serão devolvidas são: Alagoinhas (BA) - Juazeiro (BA); Alagoinhas (BA) - Propriá (SE); Cachoeiro de Itapemirim (ES) - Vitória (ES); Barão de Angra (RJ) - Campos dos Goytacazes (RJ) - Cachoeiro de Itapemirim (ES), incluindo trecho Recreio - Cataguases; Visconde de Itaboraí (RJ) - Campos dos Goytacazes (RJ); e Corinto (MG) a partir do km 1.015 + 000 - Alagoinhas (BA).


PASSAGEIROS


Nos países ditos civilizados os trens além de serem muito importantes para transportar diariamente milhões e milhões de toneladas de todos os tipos de produtos são também uma importante ferramenta para a mobilização de pessoas . Os trens transportam milhões de pessoas através de cidades integrantes das chamadas regiões metropolitanas, como também para grandes distâncias, inclusive interligando países. Os sistemas ferroviários europeus , por exemplo, têm uma importância fundamental no transporte de passageiros e mesmo no Oriente, como é o caso do Japão, com seu famoso trem bala que atravessa grandes distâncias em altas velocidades. 
Aqui no Brasil as cidades que mais utilizam os trens de passageiros é o Rio de Janeiro e São Paulo, cujos sistemas estão defasados para o número de passageiros que viajam sem qualquer conforto como se fossem sardinhas em lata e, ainda por cima sempre estão apresentando defeitos causando sérios transtornos aos que são obrigados a utilizar este tipo de transporte.
 Em Salvador temos um sistema muito pequeno e defasado ligando algumas localidades do subúrbio.

FERROVIA OESTE-LESTE

As obras da Ferrovia de Integração Oeste-Leste - a FIOL também estão na iminência de serem paralisadas com demissão em massa de operários . Já foram demitidos 700 trabalhadores dos 848 que atuam no Lote 2 da obra, com canteiro localizado no município de Ipiaú.  Com esses somam 1.300 demitidos em todo estado número que pode chegar a 5.868 caso as obras sejam totalmente paralisadas.
Com seus 1.527 Km de extensão a ferrovia terá 1.100 Km cortando terras baianas e integra o Programa do Crescimento do governo federal com investimenntos previstos de R$ 6 bilhões. A ferrovia ligará o porto de Ilhéus a Figueirópolis, no estado de Tocantins. Servirá para o escoamento da produção agrícola do Oeste baiano e de Tocantins  , além de fertilizantes , combustíveis e minério de ferro.

Postar um comentário