Objetivo


domingo, 27 de dezembro de 2015

OS PAIS DA INTOLERÂNCIA

Chico cercado por um grupo de jovens que questiona
sua posição política e um deles o chama de merda.
Estamos vivendo um momento de intolerância política. É fruto de quase trinta anos de uma pregação radical e  intolerante que se assemelha às dessas seitas e novas igrejas que se multiplicam pelo Brasil afora. O PT é um partido com ranço totalitário, como também, seus apoiadores PC do B e PSOL, portanto, trazem na sua ideologia a intolerância política. Por princípio não aceitam o contraditório.
Os pais desta intolerância são militantes desses partidos, que vêm insistindo numa separação, na divisão dos brasileiros. Divisão entre negros e brancos, ricos e pobres, trabalhadores e patrões, donos de terras e lavradores, heterossexuais e homossexuais, homem e mulher, etc. Quem não concorda com esta divisão proposta numa tentativa quase de impor, passa a sofrer ataques de elite branca, coxinhas, nazistas, etc. 
A esquerda da época não se
conformava com o sucesso
do competente Simonal.
Lembro que já fizeram isto outrora. Um exemplo emblemático é o caso do cantor Simonal que foi execrado pela esquerda paulista e carioca acusando-o de ter ligações com o então regime militar vigente. A perseguição e a intolerância desta esquerda da época acabou com a carreira do Simonal. 
Quando agora um grupo de jovens aborda o Chico Buarque e mostra certa intolerância com sua postura petista, a atual "esquerda" paulista e carioca vem em peso defende-lo, inclusive a tribo global.. 
Eu não o defendo o Chico, porque ele sendo um ídolo, que lutou contra o regime militar com suas composições inteligentes, não está neste momento, mostrando coerência política diante do que está acontecendo em nosso país. 
Se naquela época houve abuso de alguns e falta de liberdade, agora, temos uma liberdade relativa, a contragosto dos petistas que querem a censura, e ainda por cima, estamos vivendo uma roubalheira nunca vista em proporções em todo o mundo. Além da incompetência que salta aos olhos.
 Mesmo sendo beneficiário direto ou indireto deste governo através da Lei Rouanet, onde  seus parentes e até a namoradinha receberam alguns milhões de reais de incentivos para filmes, shows e outros eventos culturais, pela sua história de vida, ele deveria ser no mínimo um crítico desta situação. 
Observe a expressão de raiva desta militante
na Marcha das Mulheres Negras contra esta
defensora da intervenção militar.
Não, ele apoia cegamente, como um desses novos "irmãos" de uma seita religiosa. Cadê a coerência política, cadê o senso crítico que teve por tantos anos? 
É isto que as pessoas que viveram àqueles anos de regime militar não concordam com esta conivência de Chico e de muitos outros, com a atual situação de desgoverno e roubalheira.
A intolerância política de grande parte da sociedade brasileira  é como se fosse uma reação, uma força contra esta corrente intolerante que quer ser hegemônica, quer dominar tudo e a todos e, não admite o contraditório. 
Não se pode combater esta força perniciosa com diálogo, porque ninguém consegue dialogar com um petista/comunista  radical. Conheço alguns e, posso afirmar que esta é uma verdade insofismável. Não há diálogo possível com esses  militantes esquedopatas.
Fotos do Google
Postar um comentário