Objetivo


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

AGRESSÕES E ARBITRAGEM RUIM MARCAM O FINAL DO CAMPEONATO BRASILEIRO

Um dos briguenttos ferido no estádio de Joinville
Assistimos domingo, dia 8, a última rodada do Campeonato Brasileiro e, infelizmente, com uma cena triste e revoltante de briga entre vários torcedores do Atlético do Paraná com os do Vasco da Gama , resultando em muitos feridos,  inclusive um deles com traumatismo craniano e mais três internados em estado grave. Cenas que se repetem em nossos estádios exatamente quando estamos nos preparando para sediar o certame mais importante do futebol, que é a Copa do Mundo.
É preciso que sejam criados mecanismos mais rígidos e severos para punir esses marginais travestidos de torcedores. O verdadeiro torcedor é um esportista e não pratica atos de vandalismo, agressões e até assassinatos como estamos cansados de testemunhar.
Atente que este jogo foi realizado naquele estádio como punição do time do Atlético do Paraná por brigas anteriores de sua torcida.
Este juiz precisa parar de apitar 
Outro fato lamentável foi a arbitragem em vários jogos do campeonato. O último que pude assistir pela televisão foi uma falta inexistente, que resultou em gol, marcada erradamente pelo juiz Roberto Herbert, aquele mesmo carequinha que é da Fifa,  já com com 41 anos e continua apitando. Não é a primeira vez que ele apita errado, não só contra o Vitória, mas influenciando em outros jogos do Campeonato Brasileiro. Está na hora aposentar-se dos estádios, porque ele não tem mais físico para acompanhar o deslocamentos dos jovens atletas que beiram dos 20 a 28 anos.Ontem, ele estava longe do lance e caiu na simulação de um jogador do Atlético Mineiro, marcando a falta inexistente de um simples contato físico por ombros entre dois jogadores. A falta foi frontal à meta do Vitória e Ronaldinho converteu em gol, mudando completamente o panorama da partida.

Nesta mesma partida o jogador Fernandinho, do Atlético Mineiro,  caiu por três vezes seguidas, simulando penalidade máxima e nem foi chamado a atenção pelo juiz sr. Herbert. Nem mesmo o goleiro Victor, também do Atlético Mineiro, que deixou o seu gol e foi tomar satisfações aos jogadores do Vitória, porque não teriam parado o jogo quando um seu colega estava no chão. A partida foi interrompida por alguns minutos.
O Atlético Mineiro procurava  cavar um penalti até que o sr. Roberto Herbert teve a ajuda de um jogador do Vitória ,que fez realmente uma penalidade máxima  em seu ex-colega Berola, culminando com o empate da partida.
Juiz de futebol não pode influenciar no resultado de uma partida!É falta gravíssima!

Postar um comentário