Objetivo


sábado, 8 de fevereiro de 2014

FUGA DE PIZZOLATTO PRECISA SER EXPLICADA PELAS AUTORIDADES

Este é o Pizzolato ,preso na Itália
Parece até piada esta fuga para Itália de Henrique  Pizzolato, ex-Diretor de Marketing do Banco do Brasil . A Polícia Federal diz agora que ele passou seis anos planejando a sua fuga. É de se perguntar: o que fez a PF durante este período para evitar que ele se evadisse?
 Pizzolato  estava sendo acusado de vários crimes, seus passaportes foram confiscados  e, o deixaram livre e despreocupado,embora  tivesse dupla cidadania. Isto mostra, no mínimo, omissão das autoridades. E, o pior foi conseguir tirar outro passaporte em nome de um irmão já falecido, há 36 anos, usando a sua própria impressão digital neste documento. Tudo passou despercebido. ..
Um cidadão comum para tirar um passaporte enfrenta uma burocracia irritante. Tem que agendar ou enfrentar fila e, levar sua identidade e fotos atuais, provar que votou na última eleição, além de colocar a sua impressão digital . São tantas exigências, mas para o sr. Pizzolato  tudo foi fácil...
 O falecido Celso Pizzolato, seu irmão,  votou por duas vezes , no Rio de Janeiro, em 2008. Em 2010 não votou, mas pagou multa em 2011, e seu título de eleitor está regular. Portanto, desmoralizou também a Justiça Eleitoral, e deixa uma clara demonstração que não se pode confiar muito no resultado das eleições em nosso país. Foi talvez com este título do irmão morto que  tirou o passaporte na PF. E fez mais. Prestou declaração à Receita Federal, esta que tem o símbolo do leão, e que nem perdoa os cidadãos aposentados  , tal a sua ferocidade.
Este Pizzolato deve ser muito esperto ou  tem uma rede de pessoas por atrás de suas peripécias.Também , deixa claro que é um sujeito perigoso, capaz de burlar vários órgãos , inclusive a Polícia Federal.

SUA PRISÃO
Preso no último dia 5, em Modena, no norte da Itália, já apelou à Justiça italiana tentando responder em liberdade , mas  sua pretensão foi negada e, assim, continuará preso por tempo indeterminado. Lá a juíza entendeu que havia "perigo de fuga". Aqui não, Pizzolato andou fagueiro durante seis anos seguidos apesar das acusações...
Ele foi apresentado à Corte de Apelações de Bolonha,onde foi realizado o seu reconhecimento e validado o mandado de prisão internacional que já havia sido expedido.
Na sua toca foram encontrados muitos alimentos, cervejas, dinheiro à vontade. Portanto, estava preparado para viver sua nova vida com o nome do falecido irmão.
Além dos crimes a que foi condenado , agora deverá responder por estelionato , falsidade ideológica, crimes eleitoral e fiscal.
Se o Governo italiano resolver ficar com ele, negando a extradição, em represália a atitude condenável de Lula, que acolheu o terrorista italiano Cesare Battisti , que faça bom proveito. O nosso país precisa é livrar-se deste Cesare que só veio juntar-se a milhares de outros criminosos , que infestam nossas cidades  e cadeias.


.



Postar um comentário