Objetivo


sábado, 10 de janeiro de 2015

ARTESÃOS BAIANOS PERDEM O INSTITUTO MAUÁ

Depois de quase um século dando apoio  e incrementando o
artesanato baiano o governo petista resolve
acabar com o Instituto Mauá.
Depois de 76 anos de funcionamento o atual governador do PT , Rui Costa, decidiu com uma canetada acabar com o Instituto de Artesanato Visconde de Mauá. Um absurdo de uma administração que começa dando sinais de que não importam as tradições da Bahia. Talvez eles nem saibam que muitas das bandeiras da Bahia que tremulam nos órgãos públicos e nas solenidades de gala foram confeccionadas e bordadas por artesãs ligadas ao Instituto Mauá. Esta entidade é responsável pelo incremento do rico e diversificado artesanato em nosso Estado. Dava, através de suas feiras e outras ações, visibilidade ao artesanato que se faz nos mais escondidos recantos do território baiano.
O Instituto Mauá foi criado em 1º de março de 1939 e vinha funcionando ininterruptamente, inclusive suas lojas localizadas no Porto da Barra e na rua Gregório de Mattos, no Centro Histórico, bastante visitadas pelos turistas. Não eram mais visitadas por falta de divulgação por parte da Bahiatursa.
Ali mostrava o artesanato verdadeiramente feito na Bahia, sendo mais uma atração turística da nossa cidade. No Mercado Modelo você encontra uma variedade de artesanato, porém, muitos produtos são confeccionados em outros estados e são vendidos como se fossem da Bahia. 
Esta imagem de São Joaquim , de
autoria de Gerar, um artesão
da região do rio São Francisco
adquiri numa das feiras dos
Instituto Mauá
A extinção do órgão vai deixar uma imensa lacuna em todos os artesãos daqui e dos municípios que tinham nele uma maneira de expor, reunir, orientar e comercializar as peças produzidas pelos artesãos baianos de todas as cidades. Além de estimular a produção e ministrar cursos sobre o trabalho artesanal.
O que o Instituto Mauá precisava era de maior incentivo para que os artesãos que produzem coisas maravilhosas pudessem ter uma visibilidade cada vez maior. 
Portanto, esta administração começa deixando este vazio para uma das manifestações populares mais importantes e rica do nosso estado, que é o artesanato. 
Também, está ligada ao Instituto Mauá a Associação Comunitária Empreendedora Taboarte, que funciona no distrito de Maracangalha. O Instituto comprava as peças dos artesãos e repassava para o público a preços acessíveis, bem mais baratos dos cobrados, por exemplo, no Mercado Modelo, onde os turistas, muitas vezes, são obrigados a pagar mais caro. 
Além disto as obras eram identificadas com o nome do autor, a origem e os preços, o que não acontece em outros locais de venda espalhados pela cidade. 
Muitas famílias de artesãos vão sentir a falta da entidade que sempre foi uma estrutura de apoio a produção do artesanato baiano.


Postar um comentário