Objetivo


segunda-feira, 26 de março de 2012

TURISMO - ILHÉUS TEM PINTA DE CAPITAL


REVISTA: Manchete 1980
Texto: Reynivaldo Brito.
 Fotos: Nelson Santos

No lendário berço de Gabriela, o passado e o presente convivem harmoniosamente formando um grande futuro


A capital mundial do cacau, terra dos frutos de ouro e berço de Gabriela, é um dos locais mais privilegiados em todo o litoral brasileiro. Suas praias quase inexploradas oferecem recantos paradisíacos aos visitantes que para lá se deslocam em busca de paz na chamada alta estação, vindo através da BR-101 (Rio-Bahia) ou por vias aérea e marítima. Lá estão situadas as maiores plantações de cacau e extensões de praias margeadas por densa faixa de coqueiros. Tem ainda uma baía calma, onde outrora aportavam os navios de pequeno calado no velho porto, cuja construção foi iniciada por volta de 1924. Dois anos depois o cargueiro Falco levava diretamente para Nova Iorque uma carga de 47.150 sacos de cacau produzido por uma civilização marcada pelo suor e violência. Era o início e o reconhecimento de um trabalho que, com o passar dos anos, foi extremamente modificado e a violência deu lugar à técnica. De lá para cá milhares e milhares de sacas de cacau, massa, manteiga e torta são transportadas para os mais longínquos portos. Hoje, Ilhéus tem um moderníssimo porto em mar aberto, o porto do Malhado, que está constantemente lotado de navios cargueiros que trazem produtos manufaturados e levam para a Europa, Oriente e outros locais os frutos de ouro, que tanto representam nas exportações brasileiras.

A cidade de Ilhéus não é um ponto perdido no mapa do Brasil e já saiu do tempo em que era o cenário ideal dos romances de Jorge Amado, mas guarda com orgulho todos os traços marcantes da civilização do cacau. Daquele tempo carrego consigo o orgulho, o espírito malicioso, o humor e a sinceridade que estão estampados nos personagens do seu filho e grande escritor de renome mundial. Hoje, é uma cidade moderna, com 100 mil habitantes, ligada ao Brasil e ao mundo por redes de telefone e telex. Seu aeroporto tem capacidade para pouso e decolagem de grandes aeronaves, e as quatro companhias aéreas de vôos domésticos têm escala diária e apresenta um movimento de passageiros igual a muitas capitais nordestinas. Tem ainda nove agências bancárias e um movimento comercial de porte médio. Em suas lojas podem-se encontrar os mais novos lançamentos da moda internacional. Assim seus habitantes souberam aproveitar a dádiva da natureza plantando e colhendo o cacau – a planta dos frutos de ouro – e construíram uma cidade cheia de beleza e riqueza.
Riquezas naturais. Existe no município de Ilhéus uma lagoa maior que a Rodrigo de Freitas, a lagoa Itaípe, ou Encantada, e sobre ela existem várias lendas que fazem parte do folclore ilheense. Inúmeras pequenas cascatas nela despejam suas águas e as plantas aquáticas lá existentes resultam em reflexos indescritíveis, que aguçam a imaginação dos supersticiosos: a estes, o fenômeno aparece como sendo obra “dos duendes”. As ilhas flutuantes, cheias de jacarés, barrancos que se desprendem das margens e saem boiando, são vistas pelos nativos como diabos e outras conceituações. Na pedra da Arigoa, à meia-noite, ouvem-se lúgubres dobrar de sinos e, ao som de gemidos profundos e tétricos, canoas transportam sisudos jesuítas em uníssonas orações, como bem descreve o professor Arléo Barbosa.
Logo à entrada, para os que chegam por mar, encontra-se o morro de Pernambuco, coberto por um tapete verde, e durante as noites um pequeno farol anuncia a presença de arrecifes. É o guardião da entrada da baía onde circulavam os navios que se destinavam ao antigo porto, hoje abandonado.
Grande área do município apresenta a floresta fluvial tropical e o clima é agradável variando de 24,5C a 30C. No fundo dos vales há uma vegetação mais exigente, com as palmeiras que fornecem o palmito e as belas samambaias.
A fauna é típica da Floresta Atlântica, com muitos animais silvestres, como o porco-do-mato, paca, cotia, raposa, veado, quati, papa-mel, preguiça, ouriço-cacheiro, tamanduá-bandeira e algumas espécies de macaco: guariba, sagui e jupurá, que se alimentam de frutos, sobretudo de cacau, e por isto são caçados impiedosamente pelos agregados das fazendas. Tem ainda uma variedade incalculável de aves, entre as quais papagaios, periquitos, araras, arapongas, martim-pescador e muitas canoras a exemplos do curió, pássaro-preto, cardeal e muitas outras. Nos rios e lagos encontram-se muitas lontras e jacarés.
A cidade. A cidade de Ilhéus encanta o turista que a visita pela riqueza de sua topografia e pelo seu clima de poesia. Logo no centro da cidade está a Avenida Soares Lopes, com seus dois quilômetros de praia salpicada de amendoeiras e onde se descortina o horizonte e sopra um ar agradável do Atlântico. Durante as noites, os jovens passeiam de carro e, sentados nos bancos, ficam dezenas de casais de namorados, tranquilos, porque a violência e o medo, tão presentes nas cidades grandes, ainda não chegaram por lá.
No fim desta avenida ergue-se, majestosa, a catedral de São Sebastião, uma igreja de linhas góticas com suas torres eriçadas como a ferir o imenso céu azul. Na parte interior do templo, a brancura de suas paredes e o número reduzido de linhas curvas chamam a atenção do visitante. Subindo o Outeiro de São Sebastião, temos, no seu topo, uma igrejinha construída de pedras pintadas de branco e preto, de onde pode-se apreciar uma deslumbrante vista de toda a praia da Avenida, do mar aberto e da praia do Pontal, onde à tardinha aportam dezenas de barcos repletos de peixes. Subindo o Morro da Vitória, encontramos a igrejinha de Nossa Senhora da Vitória, e logo acima, na colina das Quintas, a capela de Nossa Senhora da Piedade, pertencente às irmãs ursulinas, que tem um altar-mor dos mais belos deste país. Aí funciona um colégio do mesmo nome, onde estão em regime de internato muitas das filhas dos fazendeiros da região. Prosseguindo o nosso passeio pela Capital do Cacau, atravessando a Ponte Lomanto Junior, de arquitetura moderna, que liga o Pontal ao continente por cima do rio Cachoeira, notamos que as praias têm ondas bem suaves e ali as águas são mais turvas devido às águas dos rios que desembocam no mar. É aí que está o ancoradouro natural, muito usado pelos pescadores, um verdadeiro cartão-postal.

Não podemos esquecer as extensas praias Norte e Sul onde estão os refúgios dos enamorados. Na praia Sul está o rio Cururupe, que forma uma piscina natural ao desembocar no mar e onde pode-se tomar banho de mar e água doce.


A dezoito quilômetros ao Sul, pode-se deliciar com a beleza das águas milagrosas da Estância Hidromineral de Oliveira, com sua pracinha, tendo ao centro uma igrejinha e a Toromba, que é uma queda d’água e piscina.

Sua gente. O povo de Ilhéus é acolhedor e ainda encontramos muitos dos personagens dos romances de Jorge Amado. Uma das figuras mais conhecidas é Demosthenes Berbert de Castro, o Demostinho, que dizem ser o Mundinho, o beijador das meninas, quando rapaz, da novela Gabriela, e agora, um defensor permanente das coisas de Ilhéus.

Novo estado. Cansados de fornecer grandes somas de recursos através de comercialização e industrialização do cacau e de receber pouca coisa em troca, os habitantes de alguns municípios da região cacaueira, entre os quais Ilhéus, estão iniciando uma campanha visando a criação do Estado de Santa Cruz, que teria como capital a terra de Gabriela. O assunto já foi examinado por uma comissão encarregada de estudar a redivisão territorial do país e até um mapa já existe, abrangendo vários municípios baianos. Todos acham viável a criação deste estado e um dos mais ferrenhos defensores é o Demostinho. Assim os municípios de Uruçuca, Itajuípe, Coaraci, Itabuna, Itapetinga, Lomanto Junior e muitos outros formariam o novo estado, que seria rico em cacau, café e minérios.
Ilhéus, sendo a principal cidade da região e como já dispõe de uma infra-estrutura de cidade moderna, seria a capital. Basta dizer que no último ano já entraram mais pedidos de construção que nos últimos seis anos. São vinte e dois projetos em média que, diariamente, são aprovados pela Prefeitura Municipal. O município está com 160 mil habitantes e na cidade cerca de 99 e 100 mil habitantes. Tem doze distritos e 40 povoados, alguns até com 9 mil habitantes. A arrecadação prevista para este ano é de 58 milhões e no próximo está orçada em cerca de 98 milhões, Segundo o atual Prefeito Antônio Olímpio da Silva.
No ano passado foram exportados mais de 800 mil sacas de cacau, pelo porto do Machado, sendo que 600 mil produzidas em Ilhéus e 200 mil em Camacã, que é segundo produtor do estado.
A Universidade de Santa Cruz, situada na rodovia que liga Ilhéus a Itabuna, conta hoje com mais de 3 mil alunos matriculados nos cursos de Direito, Filosofia, Administração e Economia, e colégios de nível secundário.


Postar um comentário