Objetivo


domingo, 4 de novembro de 2012

CRESCE A MORTE DE POLICIAIS NO BRASIL

POLÍCIA:

        CRESCE A MORTE DE POLICIAIS NO BRASIL

Quase uma centena de policiais já foram mortos na guerra que está enfrentando o estado de São Paulo, com a decretação dos marginais  de uma facção criminosa de assassinar dois policiais a cada marginal morto pela polícia.
Em nosso país um policial é morto a cada 32 horas e mais de 230 já foram assassinados este ano. Desses assassinados no país , a grande maioria estava de folga . Este número aumenta diariamente, mas esta estatística serve para a gente ver o grande problema de segurança pública que vivemos.
Como os números em São Paulo são sempre superlativos, quase a metade desses assassinatos ocorreram lá. Esses números certamente são maiores, porque o estado do Rio de Janeiro e o Distrito Federal não discriminam as causas das mortes de policiais fora do horário de trabalho, e o estado do  Maranhão não revelou sua estatística. Nós baianos já assistimos a morte de 16 policiais este ano.
 Nos Estados Unidos, revelam as estatísticas, foram assassinados em 2010 um total de 56 policiais. Um número também alto para os padrões civilizados. Dizem ainda os números que os PMs são as principais vítimas, isto porque os policiais militares estão na linha de frente do combate ao crime e quase sempre são os primeiros a chegar nas ocorrências delituosas em nosso país.
Os estudos demonstram que muitos  policiais são mortos durante as folgas, porque  ficam mais vulneráveis e geralmente a identificação dos criminosos é mais difícil. Muitos dos assassinatos são cometidos em emboscadas, nas periferias das cidades, com os assassinos sendo conduzidos em motos e carros que fogem sem deixar muitas pistas.
O que achamos é que cabe a polícia identificar os mandantes e autores  desses bárbaros assassinatos e colocá-los na cadeia. É preciso mais rigor nas cadeias para não entrar celulares, comunicados e que as visitas sejam assistidas por agentes penitenciários; modificar a legislação penal  , não permitindo que marginais perigosos sejam beneficiados com progressão de penas, saídas em dias especiais. etc.
Também os comandantes militares e delegados devem tomar  algumas providências funcionais e pontuais  visando dar mais proteção aos seus soldados e policiais civis , para evitar que se estabeleça o medo e a insegurança entre estes agentes públicos , responsáveis pela segurança de nós cidadãos.
Postar um comentário