Objetivo


domingo, 4 de novembro de 2012

INTERNAÇÃO COMPÚLSÓRIA

                           

                INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA

Sou favorável a internação compulsória para viciados em crack e outras drogas  das quais não conseguem sozinhos terem discernimento ou se livrarem deste terrível vício. Nós não podemos ficar assistindo de braços cruzados a multiplicação de cracolândias, maiores ou menores, que já se multiplicam por todo o país. As drogas chegaram até na zona rural e pequenas comunidades enfrentam este problema com seus jovens sendo arrastados para a degradação total.
A medida tomada pela Prefeitura do Rio de janeiro merece ser adotada em todas as cidades brasileiras para que se estabeleça uma verdadeira rede de combate às drogas neste país. Os estados e o governo federal devem dar todo o apoio a esta iniciativa para que juntos promovam um combate eficiente com tratamento ,e também, com muita informação para que os jovens evitem cair neste abismo. 
Não podemos ficar assistindo cenas tristes com as pessoas se drogando no meio das ruas.Temos que dar alguma contribuição para salvar estas vidas e dar um caminho digno para essas pessoas procurando, após o tratamento dar-lhes condições dignas de sobrevivência.
O Presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antônio Geraldo da Silva entende que é louvável a decisão de internar compulsoriamente usuários de crack , mas adiantou que esta medida deve ser feita com a  indicação de um psiquiatra. 
Na verdade,  entendo que é preciso cuidado e tudo deve ser feito dentro da legalidade para evitar abusos. 
As autoridades podem formar  comissões com profissionais especializados que tomariam esses cuidados. Num estudo recente realizado pelo instituto de pesquisa  Datafolha nada menos que 90% dos brasileiros apoiam a medida. E os que têm algum parente envolvido com as drogas sabem muito mais do que nós quanto é importante esta internação compulsória. Os que são contra, é por uma questão de princípio libertário; usam alguma droga e os que não tem ou  não conhecem pessoas envolvidas com drogas.
A cracolândia que existia na rua da Independência, em Salvador, foi de certa forma espalhada com a presença de uma base móvel da Polícia Militar. Mas, ainda existem muitos usuários no Gravatá e em outras áreas do Centro Histórico. Já passou da hora dos governos do Estado e Municipal tomarem medidas mais energéticas para enfrentar o problema em nossa cidade.




Postar um comentário