Objetivo


domingo, 4 de novembro de 2012

MENSALÃO : COMPARAÇÃO ABSURDA DO EX-MINISTRO

MENSALÃO:

                 COMPARAÇÃO ABSURDA DO EX-MINISTRO


O ex-Ministro de Direitos Humanos , do governo Lula, sr. Paulo Vannuchi num evento ocorrido recente, em São Paulo, afirmou aos jornalistas que Dirceu e Genoíno " foram condenados sem provas num julgamento contaminado".
 As credenciais recentes de Vanuchi são: Diretor do Instituto Lula e conselheiro político do ex-presidente.
Na sua defesa dos condenados pelo STF  o ex-Ministro  chegou a comparar a condenação dos seus companheiros com a expulsão de Olga Benário, esposa de Prestes,  para a Alemanha nazista pelo governo de Getúlio Vargas, onde ela terminou sendo assassinada. E continuou afirmando que " O Judiciário deve ser um poder contramajoritário. É ele quem segura a multidão que quer matar os judeus, que quer matar os negros.Aqui aconteceu o contrário. Os ministros aderiram a um clamor para condenar".
Ora, sr. Vanuchi ninguém quer matar Dirceu ou Genoíno e os demais condenados por este escândalo, que se tivesse acontecido num país como os Estados Unidos, as consequências seriam muito maior, e  muita gente que posa ai de democrata estaria na cadeia. O que a grande maioria da população brasileira deseja é que os culpados sejam punidos e paguem pelos crimes que cometeram. Só isto. Simples assim.
A comparação além de absurda, imprópria, é feita numa hora errada.
Todo condenado se diz inocente e injustiçado. Lembro nos meus tempos de chefe de reportagem quando parentes de presos me procuravam na redação do jornal para reclamar que uma pessoa da família tinha sido presa injustamente. Quando destacava  um repórter para apurar, invariavelmente, trazia uma ficha imensa daquele preso e, a última prisão, geralmente era por um novo delito.
O que houve é que dos 11 ministros que estão participando do julgamento do mensalão, oito foram nomeados pelo ex-presidente petista e pela presidente Dilma Rousseff. Acontece é que a grande maioria dos ministros é formada de  juristas de renome, homens vividos,de vasto conhecimento jurídico  e independentes. Estes sim, não se deixaram contaminar pelo poder.
Ainda falando do mensalão, os advogados de José Dirceu entendem que seu cliente "apresenta inúmeros fatos de grande valor social que, no momento da fixação da pena, devem ser vistos como uma causa efetivamente importante de grande valor pessoal e específica do agente".
 Os defensores e o próprio réu José Dirceu já admitem, após a sua condenação por corrupção ativa e formação de quadrilha, que o condenado, merece uma pena menor. Quem tem que decidir se merece  uma pena maior ou menor  são os ministros do STF!













Postar um comentário