Objetivo


quarta-feira, 16 de outubro de 2013

O CARMO FERVILHA DE ARTE

Desenho do artista Edmundo Simas
Vocês, moradores de Salvador, precisam sair de casa nos finais de semana para conhecer a nossa Cidade com seus casarões e igrejas centenárias. São belas e majestosas construções  que se espalham desde a Misericórdia até o Santo Antônio Além do Carmo. Só no Carmo são três igrejas. É um centro fervilhante de arte. Basta dizer que só da Ladeira do Carmo até a Rua Direita de Santo Antônio existem quase duas dezenas de ateliês de artistas,  entre  eles Leonel Mattos, Bel Borba, Eckenberg, Murilo, Edvaldo Rosas, Jaime Figura, Marizia, David Nascimento, Totonho, Ubiraci Tibiriçá; além de galerias de arte como a de Dimitri Gazelevitch , que tem um acervo fantástico, além do ateliê de costura  de Júlio César Habib .
São 14 bares e restaurantes,15  pousadas de onde você saboreia uma cerveja gelada, uma gostosa aroska, e, ainda, descortina uma vista sensacional da Baía de Todos os Santos. Lá você saborear um gostoso acarajé da Vovó, que não faz inveja a outros badalados por ai. Tem o Bar D'Veneta, do Almir, que abre quando dá na telha. Tem o Bar de Ulisses, onde é servido um gostoso mocotó e outras comidas típicas, enfim, as opções vão das chics até as mais populares. Se alguém quiser um restaurante mais sofisticado vai à Pousada do Carmo. Fiz este roteiro no último final de semana e saí de lá realmente maravilhado com o que vi.




                                       Foto Reynivaldo Brito
Fo
Leonel Matos em seu atelier 
MUITA ARTE
                                   

São 20 ateliers abertos  onde você entra em contato diretamente com os artistas. Estive no atelier de Leonel Mattos que está tentando mobilizar as pessoas no sentido de criar eventos que atraiam visitantes  para o Carmo. Leonel , como sabemos, é uma fornalha de ideias, que chegam tão depressa em sua mente que ele às vezes atropela. Mas, este potencial que ele tem, esta disposição  de meter a mão na massa, de realizar, de querer a participação das pessoas deve ser potencializado para que novos eventos aconteçam, se multipliquem , inclusive envolvendo  outras pessoas  as quais viriam juntar-se a ele para que este movimento seja duradouro e dê bons frutos . É uma nova opção de lazer que a nossa cidade pode oferecer para que mora aqui e para os visitantes.
Leonel tem contado com a ajuda da Prefeitura Municipal através o Secretário de Cultura  e Turismo , Guilherme Bellitintani, o qual tem mostrado sensibilidade. É preciso que outros órgãos se juntem para que movimentos espontâneos como este se proliferem pela Cidade. Fernando Guerreiro, da Fundação Gregório de Matos, prometeu também participar .
O bairro da Ribeira, por exemplo, é muito mal aproveitado pelos nossos órgãos de turismo. Primeiro, é preciso consertar as vias de acesso, porque as avenidas da Cidade Baixa estão fazendo vergonha à nossa Cidade. E que outros movimentos se multipliquem por nossa cidade tão rica em diversidade. Salvador é muito mais que esta hegemonia do axé e do pagode de má qualidade.


PROGRAMAÇÃO PARA SÁBADO


Neste sábado haverá outro evento com as oficinas de arte começando a partir das 10 horas .À tarde um desfile de modas da griffe Maddamiss, com produção de Vinny Vasconcellus, maquiagem de Leila Requião e fotografia de Maurício Requião e Carlos Augusto Scherer. Contará com a presença de 15 modelos ,que vão desfilar no meio da rua. Um tapete vermelho será estendido para que as modelos mostrem as roupas feitas por pessoas que ali residem ou frequentam.
Também, será montado um pequeno palco onde poetas vão ler suas poesias , coordenado pelo Grupo Importuno Poético e, muita música, com a participação do músico Paulo Sérgio e  das bandas Os Jackeds e da Invena .Como tudo é feito com espontaneidade e participação, se você tem uma boa voz poderá brindar os presentes cantando uma música de sua escolha. Lá já cantaram pessoas de outros  países como do Japão, França e Estados Unidos. São turistas que estavam passeando e resolveram interagir.

BUSCAR SOLUÇÕES                                                      Foto Reynivaldo Brito
Uma bela visão parcial do Carmo

Os preços são os mesmos cobrados na orla de Salvador ou  no Rio Vermelho, os quais considero altos, se comparados com outros centros turísticos do Brasil e até do exterior. Ai é que teria que entrar o trabalho das entidades que congregam bares e restaurantes, juntamente com a Bahiatursa e o Sebrae. Este trabalho deve ser extensivo à preparação dos garçons e recepcionistas , etc.  Isto tem que ser uma política de Governo e, a hora é esta, já que estamos às vésperas da Copa do Mundo. Não apenas convocar pela mídia , mas convidar pessoalmente as pessoas que ali trabalham a participar de cursos, palestras no sentido de conscientiza-las e profissionalizá-las. A exploração do turista é um pecado imperdoável porque prejudica toda a cadeia do segmento.
O medo está afastando as pessoas das ruas em todas as cidades de nosso país. Esta visita que fiz ao Centro Histórico no último dia 6, andei pela Ladeira do Carmo, Boqueirão e  Cruz  da Redenção e não encontrei um policial em toda esta extensão. Apenas, no pé da Ladeira do Pelourinho haviam dois policiais. Portanto, é preciso reforçar o policiamento ,porque o turista gosta de andar  observando as coisas. É preciso colocar a polícia andando por esses trechos de grande visitação para protege-lo.
 A Bahiatursa, que já teve uma influência e atuação exemplar sumiu depois da saída de Paulo Gaudenzi, hoje, é uma página morta, praticamente desapareceu do mapa . Está na hora de ressuscitar e aparecer por lá.






Postar um comentário