Objetivo


domingo, 1 de julho de 2012

ARTES VISUAIS - ANTOLOGIA PICTÓRICA

ARTES VISUAIS
    A TARDE QUARTA FEIRA 03 DE MARÇO DE 1999                                            
  Texto Reynivaldo Brito                                     

 
              Nas fotos obras de Carybé, Floriano Teixeira e Bel Borba que constam da Antologia.
Fico apreensivo quando alguém se dispõe a relacionar obras de arte e artistas como os melhores, os que aparecem mais na mídia, enfim estas listas sempre geram discussões e preferências. Mas este livro de Dênisson de Oliveira pelo menos serve de referência para as pessoas que daqui a alguns anos vão estudar o movimento de arte na Bahia nestas últimas décadas. A obra destaca os trabalhos de 100 artistas baianos que tiveram uma presença ativa no mercado. O livro 100 Artistas Plásticos da Bahia, na realidade, é um catálogo, ou seja, um apanhado organizado pelo marchand da galeria Prova do Artista.
Com patrocínio da Copene Petroquímica do Nordeste S.A., através da Fazcultura ( projeto de incentivo fiscal do Governo do Estado), o livro será lançado no próximo dia 10, das 19 às 22 horas, no Museu de Arte Sacra (Rua do Sodré, 276, Centro), com o vernissage da exposição com obras dos artistas enfocados.
O livro reúne textos com comentários de críticos e outros profissionais, com ilustrações de obras de uma centena de artistas do Estado.
Na exposição que  permanecerá aberta no Museu de Arte Sacra até 18 de março estarão sendo exibidas as 100 obras retratadas pelo livro.O único critério de seleção foi a presença do artista no mercado de artes plásticas da Bahia. “Nós não privilegiamos estilos, personalidades, técnicas ou qualquer tipo de julgamento acerca do talento dos selecionados”, garante Dênisson de Oliveira. O resultado do projeto, segundo o organizador, reflete o ecletismo que impera hoje no mercado baiano de artes plásticas.
O objetivo foi elaborar uma obra de referência, que auxilie no trabalho de colecionadores, pesquisadores, marchands e artistas, insiste Dêrnisson. “Com exceção dos livros sobre a obra de alguns artistas consagrados, há poucos livros do gênero disponíveis no mercado baiano. Com isso, a História das Artes Plásticas na Bahia acaba sem registro”, destaca.
Acredito que dentro desta ótica do autor seu objetivo foi alcançado e merece aplausos. Também podemos afirmar que nem este nem qualquer outro livro poderá se arvorar de completo. E certamente Dênisson com sua fleuma e tranqüilidade sabe que isto é verdade. Foto de obra de Raimundo Oliveira.
O formato do livro buscou o registro. No verbete dedicado a cada artista, há, além da foto de uma obra e textos assinados por nomes tão diferentes quanto Décio Pignatari, Clarival do Prado Valadares, o psiquiatra Ricardo Chemas e Jorge Amado, o nome completo de cada autor, ano de nascimento, descrição, ano de criação e valor de mercado da peça ilustrada.
A publicação conta ainda com textos dos críticos de arte Carlos Eduardo da Rocha, Matilde Matos, Reynivaldo Brito, Ivo Vellame, Aldo Tripodi, Cesar Romero, dentre outros que traçam um panorama das artes plásticas na Bahia do início do século até os dias atuais. No final do livro, há um glossário de termos e movimentos artísticos e uma relação das principais galerias e museus de arte de Salvador.

Postar um comentário