Objetivo


terça-feira, 31 de julho de 2012

OPINIÃO - MONTADORAS QUEREM MAMATA


OPINIÃO / INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA


                                    Texto de          
                                    Reynivaldo Brito
                                    Foto Google

O país está assistindo, apático, a pressão das montadoras por mais privilégios. Nas primeiras dificuldades elas levantam a lona, empacotam suas máquinas, demitem os operários e vão embora. Já assistimos este filme várias vezes. Mas, o governo tem especial predileção pela indústria automobilística desde o tempo de Juscelino Kubscheck, quando aqui chegaram as primeiras montadoras. Elas sempre tiveram grandes privilégios como terrenos doados ou baratos, isenção de impostos e assim por diante. É porque tem mais visibilidade para os tolos dos eleitores. Essas empresas não têm qualquer postura de simpatia ou de apoio aos países onde estão temporariamente instaladas. São iguais a circo. Se tem bilheteria, ficam. Se começa a escassear o público, demitem os colaboradores  e levantam a lona.
Na foto a Avenida Bonocô, que vive engarrafada eternamente.
Veja agora o caso da JAC Motors chinesa que está ameaçando não construir a fábrica na Bahia, porque quer mais incentivos e, assim quase chantageia, quando divulga que pode não vir. Imediatamente , autoridades prometem novos incentivos, o que significa que vamos pagar a conta dela, que vai recolher quase imposto nenhum por vários anos, e assim por diante. Estas multinacionais dão milhões de dólares de lucro aos seus acionistas, mandando para suas matrizes o lucro que aqui conseguem . Elas não precisam de qualquer incentivo. Se todos parassem de paparicar estes exploradores, certamente que  viriam da mesma forma se instalar aqui, porque somos um grande mercado.
A isenção de IPI para as montadoras é uma faca de dois gumes. Primeiro, você incentiva a inadimplência , que hoje, já é preocupante no setor. Segundo lugar, e não menos importante, estamos lotando as ruas das grandes cidades brasileiras de carros, dificultando a mobilidade urbana e piorando a qualidade de vida. Os engarrafamentos já estão causando prejuízos graves em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador , dentre outras capitais. Além disso, os preços dos carros praticados aqui são bem mais altos dos que os de outros países e, os veículos são bem melhores.
O que precisamos é que este dinheiro do IPI financie o transporte público, que coloque nosso metrozinho para andar e, que venham mais quilômetros de metrô para Salvador, porque convenhamos, seis quilômetros de metrô e ainda sem funcionar, é simplesmente ridículo !
Quem precisa de incentivo e  de redução de impostos são as pequenas empresas que realmente são as grandes empregadoras deste país. Sabe quantos trabalhadores existiam na indústria automobilística  no ano passado? Apenas 136,10 mil trabalhadores. Sabe quanto representam as pequenas empresas?  São 56,4 milhões de trabalhadores empregados, rendendo 20% do PIB brasileiro, ou seja, R$700 bilhões, e ofertando portanto 60% dos empregos neste país.Temos hoje mais ou menos 5,7 milhões de pequenas empresas . É para elas que o Governo devia canalizar sua atenção, deixando que as multinacionais briguem pelo mercado.
Parece que o Ministro da Fazenda , Guido Mantega está convencido que não deve prorrogar o incentivo do IPI para as montadoras depois que a GM anunciou a demissão de mais de dois mil operários. Será que o governo sabe quantas pequenas empresas fecharam do ano passado para cá devido a escorcha dos impostos e tributos outros? Sabe quantos ficaram desempregados neste setor?
Sabem quantas pequenas lojas de carros seminovos fecharam  este ano em todo o país? Mais de 4.500 segundo a Fenauto,cerca de 10% do total, devido a restrição de crédito e desvalorização dos modelos.
Postar um comentário