Objetivo


quinta-feira, 28 de junho de 2012

MEIO AMBIENTE - PRAIAS: PESQUISAS ESCONDEM ALTO ÍNDICE DE POLUIÇÃO

MEIO AMBIENTE

A TARDE BAHIA, 03 DE FEVEREIRO DE 1973.     
Texto Reynivaldo Brito

A poluição das praias de Salvador já começa a preocupar as autoridades estaduais e federais. O índice de poluição de algumas delas é tão alto que os dirigentes dos órgãos encarregados do controle mantêm os resultados laboratoriais em sigilo, argumentando que de nada adiantaria divulgá-los. Mas enquanto providências efetivas não são tomadas os baianos e os turistas que nos visitam banham-se em águas poluídas colocando sua saúde em perigo. Muitos desavisados chegam a banhar-se em locais onde os esgotos são despejados.
A Capitania dos Portos é, talvez, o órgão que, no momento  está mais preocupado com o problema da poluição de nossas praias e inclusive exerce uma fiscalização efetiva para que as embarcações não lancem detritos nas águas do mar e que esses venham a dar nas praias. Há poucos dias um navio de bandeira francesa foi multado em cerca de CR$ 28 mil cruzeiros por jogar óleo no mar.Na foto da época barracas onde eram comercializadas bebidas alcóolicas, concorrendo para a intranquilidade das famílias.

                                                              PREOCUPAÇÃO

Quando do encaminhamento do projeto do emissário submarino pelo Governo do Estado para a aprovação pelo Ministério da Marinha, em maio do ano passado, o Vice-almirante Hilton Berutti enviou um ofício ao Governador que em determinado trecho afirma: “tenho a satisfação de acusar o recebimento da carta datada de 11 do corrente, na qual V. Exa. expõe a realização da obra de esgotos sanitários da cidade do Salvador, de tão alta prioridade para as necessidades da população local e tão grata a esta Diretoria, pelos benefícios que trará, em termos de combate à poluição das praias dessa bela e histórica Capital”.
Esta afirmação por si só bastaria para constatar a poluição e também a preocupação em se criar instrumentos capazes de combater este mal, que tanto concorre para diminuir o grande potencial turístico das praias baianas, que são consideradas como as mais lindas do País.

                                                               ANIMAIS

O pior é que além dos esgotos que lançam detritos nas águas do mar algumas pessoas desavisadas levam cachorros e até cavalos às praias. É comum você presenciar na orla marítima de Salvador criancinhas banhando-se nas praias juntamente com esses animais. É outro grande perigo para a saúde dos banhistas.
A falta de um policiamento efetivo nas praias é a principal razão da presença de animais como também da ocupação de áreas destinadas ao banho de mar pelos jogadores de “peladas”. Vários acidentes e incidentes já ocorreram em algumas praias principalmente em Itapajipe, Piatã e Porto da Barra quando crianças e senhoras foram atingidas por boladas. Com isto os seus acompanhantes não conformados com esta atitude descabida são obrigados a tomar providências pois a polícia nunca aparece nesses momentos.

                                                                 AS PRAIAS

A praia do Porto da Barra é muito freqüentada, principalmente nos fins de semana quando centenas de pessoas que não possuem veículos para se locomover para outras mais afastadas enchem àquele pequeno trecho de areia que vai das imediações do Clube Cirex até o Forte de Santa Maria.
Existem ali nada menos que três esgotos que lançam detritos na areia e na água do mar além de vísceras de peixes e outros detritos que são lançados por pescadores e alguns comerciantes estabelecidos na feirinha do Porto.
Foto crianças brincando na praia. os pais devem tomar o máximo de cuidado para que elas não brinquem perto de esgotos e detritos.
Além disso, esses esgotos apresentam uma construção mal feita o que concorre para diminuir a beleza da praia do Porto da Barra. O policiamento é precário e sendo essa praia a que apresenta trajes de banho mais avançados, com a presença de biquínis modernos, quase sempre surge um conflito, que exige a presença  de um policial.
As tais bóias de isopor que vez por outra são colocadas no Porto da Barra e que servem de aviso aos banhistas quase sempre não aparecem por lá.
É necessário que a Prefeitura Municipal coloque as bóias diariamente mesmo porque estamos em época de férias escolares e é grande o número de banhistas.

                                                                  PERIGO

Outro perigo a que ficam expostos os banhistas do Porto da Barra é a presença de pequenas lanchas movidas a motor e outras embarcações que ficam navegando bem próximas à praia. O que poderá acontecer é que algum banhista seja atingido por uma hélice ou mesmo que, ao mergulhar, bata com a cabeça num casco de uma embarcação. Os proprietários dessas lanchas e barcos ficam por ali na “paquera”, demonstrando suas “habilidades” de homens do mar e, esquecem do perigo que representam.
Em muitas praias de Salvador os atletas de fim de semana não respeitam os banhistas e se multiplicam os babas em toda a orla marítima, principalmente nos finais de semana.
É  preciso que as autoridades atentem para este problema, evitando a presença de embarcações bem próximas às praias principalmente nos dias de maior afluência de público.
Nas proximidades de Forte de Santa Maria, existe uma faixa de praia que vai até o Farol da Barra que não tem iluminação nenhuma e isto serve de mictório público. O turista não pode demorar-se na balaustrada a admirar a beleza da paisagem, porque o cheiro é insuportável.
Do lado direito do Farol da Barra existe uma velha árvore que serve de depósito de lixo. Alguns moradores das imediações lançam na praia objetos imprestáveis. Há poucos dias, presenciamos um senhor jogar um guarda-roupa velho, além de lixo.
Os esgotos ali existentes lançam com mais intensidade águas sujas e por esta razão a areia da praia está escurecida como também suas águas.
Assim, a maioria de nossas praias são poluídas como as de Ondina, Rio Vermelho, Pituba, Piatã, Itapuã e Arembepe, onde uma fábrica de produtos químicos lança detritos industriais que vêm prejudicando a flora e a fauna marinhas.
Na Cidade Baixa, as praias da Boa Viagem, Monte Serrat e Itapajipe apresentam, talvez, um dos maiores índices de poluição em todo o Brasil.
Os resultados das pesquisas laboratoriais realizados comprovam isto, mas infelizmente estão guardados em sigilo.

                                                               CONVÊNIO

Um convênio para o controle da poluição das águas do mar em toda a Baía de Todos os Santos além das bacias hidrográficas do Joanes e seus afluentes vai ser firmado entre o Governador do Estado e a Capitania dos Portos.
A minuta do convênio já está pronta e está dependendo apenas das assinaturas das duas partes interessadas na solução do problema.
Sabe-se que a Capitania dos Portos pretende colocar em funcionamento um helicóptero para juntamente com as lanchas existentes manter uma maior fiscalização das águas de nossa costa. A média de navios que aportam em Salvador é de 170 a 180 por mês . Acredita o Comandante Alberto Oliveira que “é preciso que estejamos bem equipados para combater a poluição principalmente porque temos conhecimento que grande parte dessas embarcações são petroleiros e propaneiros”.
A lei de n. 5537 determina que toda embarcação nacional ou estrangeira e terminais marítimos que joguem detritos ou óleo no mar ficam sujeitos a multa  numa faixa de 6 mil milhas a :
1) 2% do maior salário mínimo do país multiplicado pela tonelagem de arqueação do navio; 2) no caso dos terminais marítimos a multa é de 200 vezes o maior salário mínimo do País e que atualmente equivale a cerca de CR$ 53.750,00


Postar um comentário