Objetivo


sábado, 2 de junho de 2012

COMPORTAMENTO - TUDO DEVE TER LIMITE ?

OPINIÃO
 Reynivaldo Brito

Todas as pessoas que viveram no período da ditadura e têm uma noção clara do que significa a censura tem pavor desta palavra. Uma prova cabal disto é a reação em cadeia com a decisão da Oab paulista em contestar a obra do artista pernambucano Gil Vicente, que apresentou na última Bienal de São Paulo desenhos grandes feitos em carvão. Num dos desenhos ele aponta um revólver para a cabeça do ex-presidente Fernando Henrique e, noutro, uma faca na garganta do presidente Lula, além de estar puxando seus cabelos. Nas outras obras os seus “inimigos” são dois governadores de seu estado, a rainha da Inglaterra e o Papa.
As imagens são fortes, para não dizer grotescas. O que indago é onde está o limite da arte? Esses trabalhos, intitulados “Inimigos”, incitam ao crime e a violência, como afirmou a Oab paulista? O comentarista da Folha de São Paulo, Alexandre Vital Porto, entende que não e, argumenta “ retratar um assassinato não significa fazer apologia do crime”.
Felizmente nem o ex-presidente e nem o atual presidente e os demais mostrados nas obras do pernambucano foram assassinados. Estão ai vivos e tocando a suas vidas. Todos sabemos que qualquer obra de arte tem um valor subjetivo. Mas, perguntaria a Gil Vicente, se outro artista colocasse as figuras respeitosas de sua genitora, ou de outra pessoa querida dele,  numa situação comprometedora ou no lugar dos seus " inimigos", como em  suas “ obras de arte”, como reagiria? Certamente que ficaria indignado e argumentaria que sua genitora e a outra pessoa querida  não são "inimigas", não são pessoas públicas. Pode até ser que não tenham tantos inimigos quanto os retratados, mas, provavelmente, têm alguns, como todo ser humano os tem, muitas vezes gratuitos e até desconhecidos.
Antes da obra de arte existe o ser humano, o cidadão, que tem filhos, netos , esposa, etc., e merece ser respeitado. Isto não deixa de ser um desrespeito pelo ser humano e vem na esteira da impunidade que se estabaleceu em nosso país onde o ex- presidente da República desrespeita o Judiciário fazendo chacota, quando falou em público que queriam fazer uma sacanagem com sua candidata, hoje presidenta eleita. O pior é que é aplaudido por uma claque ignara de puxa-sacos.
Sou contra qualquer tipo de censura, mas, as pessoas devem pautar pelo bom senso, pelo respeito ao outro. Nada justifica a falta de respeito pelo ser humano e, as frustrações que se manifestam desta forma, agredindo terceiros, devem, pelo menos, serem vistas com certo cuidado. Eu não me sentiria bem e, acredito, que a grande maioria das pessoas não gostaria de ser retratadas com uma faca na garganta, sob o pretexto de que era uma obra de arte. É simples, basta se colocar no lugar daqueles que foram retratados.

Postar um comentário