Objetivo


segunda-feira, 28 de maio de 2012

CIDADE DE SALVADOR - ABAETÉ, MISTÉRIO CERCADO DE ÁGUA ESCURA E DE AREIA BRANCA

CIDADE DE SALVADOR
Jornal A Tarde, domingo, 22 de outubro de 1978

Caderno de Turismo & Automobilismo
Texto e Fotos Reynivaldo Brito

Abaeté, a lagoa que tem suas areias bancas beijadas por uma bela vegetação rasteira, uma água escura e carregada de mistérios, onde habita Dona Oxum e a menos conhecida e também bonita lagoa de Iemanjá são como uma flor ou uma mulher bonita que merece carinho constante e respeito. Ambas têm condições de oferecer aos turistas e baianos o perfume e a tranquilidade de suas águas, vistas paradisíacas e a bruma suave que encanta os corações enamorados.
Na foto acima as roupas estendidas na grama para secar, depois do trabalho sob o sol forte das lavadeiras.
A alvura de suas dunas contrastam com o escuro das águas e o verde musgo da plantas rasteiras que salpicam suas margens. É a lagoa de Abaeté motivo de tema do cancioneiro popular e ponto de encontro de uma população itinerante que para lá se desloca nos fins de semana e nas noites de luar para tomar banho e fazer as tradicionais serenatas. Ao lado disso vive uma pequena comunidade de baianas do acarajé,vendedores de coco verde e de bugigangas, aguadeiros e especialmente as lavadeiras que contribuem com o colorido das roupas que lavam para tornar o lugar mais bonito e significativo. Também para lá se dirigem os turistas atraídos pelo prestígio e pela fama de suas belezas e mistérios.
Abaeté é uma lagoa escura , arrodeada de areia branca, canta o velho Dorival Caymmi, enaltecendo o santuário de Oxum, palco de encontros de casais enamorados e das lendárias lavadeiras que fazem coro e acreditam na presença da bela deusa que vive escondida em suas águas. A lagoa é um dos recantos naturais mais belos deste país. Mas para que continue gozando do prestígio que desfruta é preciso que seja preservada toda a área que a margeia e circunda, encerrando de uma só vez a presença de especuladores de imobiliárias.
As escavadeiras e caçambas que cavam e transportam, respectivamente, suas areias devem tomar cuidado, porque Oxum, deusa de suas águas, está observando os movimentos de seus condutores. Ela finge banhar-se nas águas tranquilas e misteriosas e assiste apreensiva e triste a profanação de seu santuário.Esta profanação representa também uma ameaça à sua vaidade de deusa mulher e espera uma providência de seus seguidores e admiradores. As chagas abertas ao seu redor devem ser curadas imediatamente para evitar danos irreparáveis  e sanar o sofrimento de Oxum. Vamos reestabelecer a sua vegetação que é de uma beleza sem par, para que voltem os pequenos animais que antes povoavam àquela área.
Na foto à esquerda vemos os carros que trafegaram em cima do gramado agora estão sendo lavados poluindo as águas do Abaeté.
                                              
                                        UM PARQUE

O futuro governador Antônio Carlos Magalhães afirmou recentemente que dará prioridade à preservação das belezas de Salvador a exemplo do Pelourinho e Abaeté. É uma esperança que começa a se esboçar e tudo poderá ainda ser salvo. Bastaria que o futuro prefeito Mário Kértsz tornasse realidade o projeto de criação do Parque Metropolitano do Abaeté, que foi elaborado na administração passada. A área precisa ser desapropriada, acabando assim com a especulação imobiliária e com a ocupação desordenada. Assim,os carros deixariam de transitar por cima da grama existente em suas margens e a depredação diminuiria. O projeto foi elaborado por técnicos do Órgão Central de Planejamento da Prefeitura, que chamaram a atenção das autoridades que se as dunas continuarem sendo destruídas, jamais serão recompostas e a vegetação rasteira eliminada, ocorrerá a reativação residual das areias superficiais, que poderão encaminhar-se para os lados do Aeroporto Dois de Julho, avenidas de acesso e outros assentamentos, situados na retaguarda das dunas.
Este projeto é tão importante que sensibilizou a Secretaria Especial do Meio Ambiente, que enviou alguns técnicos para realizarem estudos in loco sobre o solo, flora e fauna e recomendaram a criação urgente do parque.
Eles enalteceram a botânica e constataram a presença antrópica sobre a cobertura vegetal e também a paisagem natural e sua relação com os assentamentos urbanos existentes no entorno, e fizeram um levantamento do estado atual das intervenções urbanas.Concluíram que a Lagoa do Abaeté se impõe como um local a ser preservado em toda sua extensão.
 Abaeté é como uma flor, ou ,uma mulher bonita que merecem ser tratadas com carinho e especialmente com respeito. Ela tem condições de oferecer aos baianos e aos turistas que nos visitam o perfume e a tranquilidade de suas águas, vistas paradisíacas especialmente nas noites de luar. É um local agradável para o lazer, para a prática de esportes náuticos, para beber uma boa cerveja ao som de um violão bem afinado e em boa companhia. Os mistérios que a envolvem são como uma bruma suave que encanta os enamorados. Durante os fins de semana muitos vão banhar-se em suas águas cheias de mistérios  e tomar uma cervejinha admirando sua paisagem.( foto)

Esquecendo o tecnicismo dos projetistas, penso em Abaeté como um local de agradáveis surpresas e encantamento. Penso em sua vegetação rasteira que beija a areia branca e nas lavadeiras que devem ser orientadas para não usar detergentes que prejudicam os pequenos peixes que a povoam. Que os galhos das plantas não devem ser quebrados para estender roupas, que os carros não devem poluir suas águas e matar a grama que a circunda. Penso na Lagoa do Abaeté durante os fins de semana com muitos jovens andando e cantando   à beira de suas águas.
                                                                                              MIRANTE

Poucos baianos sabem que existe um mirante para melhor descortinar a paisagem de Abaeté. Ele foi construído na administração Clériston Andrade e de lá você pode notar quanto é bela. Também terá uma surpresa desagradável, pois deixaram construir um edifício que surge entre os pequenos morros como uma faca ferindo o céu. Uma tristeza, mas que a beleza da lagoa ainda assim é capaz de anular esta chaga ou pelo menos a esconde já que seu potencial turístico e paisagístico é incalculável.
                                     
                                                                    IEMANJÁ

É menos conhecida e está situada no sentido do aeroporto. A vegetação que a circunda é de mata de restinga com suas espécimes assinaladoras de pitangueiras, guriris, bromélias e abundância de mirtáceas. Está melhor conservada porque seu acesso é um pouco difícil. É protegida pela área de segurança do Aeroporto Dois de Julho e assim poderá permanecer por alguns anos como zona tampão do aeroporto,função não colidente com seu futuro uso como área de lazer.
É também bela, embora seja menor. Assim, Abaeté e Iemanjá, a primeira santuário de Oxum e a segunda de Iemanjá ( conforme seu próprio nome) devem ser preservadas , protegidas para que os baianos e os turistas tenham duas áreas de lazer integradas e bem cuidadas. Esperemos que certamente no futuro governo alguma coisa seja feita em beneficio desses dois santuários.

Postar um comentário