Objetivo


quarta-feira, 9 de maio de 2012

RELIGIÃO - AS PREVISÕES DE UMA IALORIXÁ

Revista: FATOSeFOTOS GENTE, 21 de Janeiro de 1980
Foto de Arestides Batista

Mãe Mirinha do Portão afirma que este ano será de fartura para o Brasil


À meia-noite de 31 de dezembro de 1979, os búzios confirmaram que o ano de 1980 será governado por Ogum e Oxum, o deus da Guerra e a deusa das Águas Doces.
O candomblé está em festa. Ogum, no sincretismo do candomblé, corresponde a Santo Antônio, e é um orixá que controla as guerras, as demandas e se manifesta pela força e pelo poder. Seu metal é o ferro, sua cor o azul-escuro.
Ele atua, segundo a ialorixá Mirinha do Portão, filha de João da Goméia, distribuindo a Exu – O Rei das Encruzilhadas – funções e encargos. Porém, a identificação de Ogum com a guerra poderá ser minorada com a presença de Oxum – a Mãe das Águas Doces – que é calma e vaidosa, e com certeza conseguirá equilibrar o caráter guerreiro de Ogum. Seu metal é a prata velha e suas cores o amarelo-ouro e o azul-claro.

O ano de 1980 será de muitas enchentes que provocarão desabamentos; entretanto as pessoas não passarão necessidades, pois haverá alimentos para todos.
O Brasil terá um ano de fartura e enfrentará o problema da crise energética com grande otimismo e dentro em breve não estará mais dependendo da vontade dos árabes; tudo será melhor do que no ano passado. Segundo Mãe Mirinha, este ano será de fartura porque o país conseguirá boas safras agrícolas e manterá seu nível de crescimento, na caminhada para se tornar uma nação desenvolvida. Serão atenuados os problemas de energia e da inflação, não existindo possibilidade de recessão econômica. Quanto à política, Mãe Mirinha disse que os orixás não falam nada "porque isto é coisa dos homens."
Em 1980, as pestes serão anuladas e as doenças afligirão muito pouco o povo, mesmo nas regiões mais pobres do país. O ser humano será mais forte e mais resistente.
E finalizou a leitura dos búzios dizendo que é preciso pedir aos orixás para dominar os governantes dos Estados Unidos e da Rússia, que só pensam em conquistar e humilhar os países pequenos, sem pensar nas consequências desastrosas de uma guerra mundial. Temos que lutar ao lado de Ogum para garantir a paz em todos os recantos.
Os filhos de Ogum são impetuosos e belicosos, autoritários e até certo ponto egoístas, cautelosos e desconfiados. Para que tudo dê certo vale a pena saudar o Ano-Novo assim: Ogunhê patocuri. Saravá.






Postar um comentário